//Controle de Empregados e Jornadas de Trabalho

Controle de Empregados e Jornadas de Trabalho

Fora de estoque

(Inscreva-se na lista de espera)









(Com apostilamento e fornecimento de Certificado)

Categoria

Descrição

:: OBJETIVO

Propiciar aos participantes o conhecimento referente a duração e jornadas de trabalho, inclusive com hipóteses de casos concretos, bem como relativas a controle de jornada e possíveis compensações.

Serão tratadas todas as regras de compensação, prorrogação, intervalos, trabalho externo e suas devidas formalizações.

No controle de jornada serão tratados os controles manuais, mecânicos e eletrônico, nos termos da Portaria nº 1.510/2009, inclusive gerentes e trabalhos externos.

Análise de casos concretos e controle de empregados.

:: PROGRAMA

– Jornada de Trabalho legal – regras e procedimentos;
a)Jornada de 8 horas; 8:48 horas; e distribuição de jornadas.
b)Como implantar e formalizar sem pagamento de horas extraordinárias;
c)Regras e aplicação.

-Teletrabalho – regras para aplicação de trabalho à distância (nova lei);

– Trabalho em casa (a distância) e o pagamento de horas extras – Lei 12.551/2011

– Compensação de Jornada de Trabalho – semanal;

– Compensação de Jornada de Trabalho – anual;

– Banco de horas: procedimentos para implantação e cabimento;

– Prorrogação da Jornada de Trabalho: regras e procedimentos;

– Horas extras:
a)Empregado é obrigado a cumprir?;
b)Apontamentos em contrato de trabalho;
c)Advertência em caso de descumprimento?;
d)Quais os limites e regras aplicáveis?;
e)Situações em que são vedadas;

-Viagens a serviço. Como controlar? Cabe pagamento de horas extras?

– Trabalho Parcial:
a) Posso proporcionalizar o piso normativo se o empregado não labora tempo integral?
b) Regras;
c) Cabimento;
d) Procedimentos contratuais;
e)Cabe a figura do Paradigma?

– Sobreaviso:
a) Regras e cabimento;
b) Condições.

– Gerentes:
a)Enquadramento
b)Disposições em contrato de trabalho e CTPS;
c)Pagamentos cabíveis;
d)Há necessidade de controle de ponto? E pagamento de horas extras?
e) Possibilidades à empresa;
f) Fiscalização do sindicato e do AFT.

– Atividades Externas:
a) Quem pode ser assim contratado?
b) É necessário realizar o controle de jornada?
c) Quem pode ser enquadrado nesta hipótese, para que não realize batimento de ponto?
d) Há pagamento de horas extras? Posso descontar?
e)Possibilidades à empresa;
f)Fiscalização do sindicato e do AFT.
g)Disposições em contrato de trabalho e CTPS;
h)Pagamentos cabíveis;

– Intervalo para descanso e refeição:
a) Ajuste conforme a jornada;
b) Possibilidades para alteração;
c) Limites e controle;
d) Como reduzir o intervalo para menos de 1 hora ou para períodos inferiores aos legais?

– Intervalo para mulheres: aplicação específica.

– Intervalo Interjornada:
a) Regras e procedimentos;
b) Limites e controle;
c) Impedimento a contratação de novos empregados.

– Pausas legais:
a) Digitadores;
b) Secretárias;
c) Câmeras frigorificas; dentre outros.

– Folgas Semanais:
a)Regras cabíveis;
b)Comprovação da concessão;
c)Pode ser durante a semana? Quais procedimentos adotar para isto?

– Escalas de Trabalho / Escala de Revezamento:
a) Quando é necessária?
b) Jornada Espanhola: procedimento para realização;
c)Possibilidade em ACT ou CCT.

– Formas de controle de ponto: Eletrônico, mecânico, fichas, livro de ponto e chapeira;
– Tolerância para pagamento de horas extras e descontos;
– Efeitos das Convenções Coletivas de Trabalho e Acordos Coletivos de Trabalho;
– Possibilidade de manutenção de pontos manuais;
– Procedimentos do ponto eletrônico (Portaria 1.510/2009 – REP e SREP);
– Cadastramento de usuários de REP no MTE;
– Regras da Portaria 1.510/2009;
– Empresas com várias filiais: marcação de empregado na matriz;
– Jornadas de trabalho – CF, CCT e ACT;
– Diferenças nos apontamentos;
– Retificações;
– Cláusulas contratuais sobre jornada de trabalho;
– Apontamentos na CTPS;
– Reflexos da Portaria 1.510/2009 nas ações trabalhistas;
– Fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego;
– Sistemas Alternativos de Controle de Ponto (exceção à Portaria 1.510/2009);
– Procedimentos para implantação;
– Sanções cabíveis: advertência, suspensão e Justa Causa.

:: METODOLOGIA
Exposição com recursos audiovisuais, abordagem da legislação, jurisprudência e de casos concretos, com possibilidade de debates e argumentações durante o curso/palestra.

:: PÚBLICO ALVO

Empresários, Contabilistas, Profissionais de Recursos Humanos, Gestores empresariais, funcionários de empresas de terceirização e de trabalho temporário (Lei n° 6.019/74), de empreitada e construção civil, bem como todos os interessados em adquirir/aprimorar conhecimentos sobre o tema.

WhatsApp Chame no WhatsApp